sexta-feira, outubro 30

Jazzores'09 » Último dia



Último dia de um festival que ganhou dimensão regional e que hoje termina com o prodigioso pianista Brad Mehldau em Trio, cujo último disco foi nomeado para o Grammy (for Best Jazz Instrumental Album). Mais uma noite imperdível.

...Eu hoje deitei-me assim !

...

...It's a cruel cruel world, to face on your own,
A heavy cross, to carry alone,
The lights are on, but everyone's gone.

quinta-feira, outubro 29

II Bienal de Turismo Subaquático



Um evento com enorme capital reprodutivo para os Açores e para a ilha Graciosa, em particular. O mergulho começa hoje.

quarta-feira, outubro 28

Apartheid

...
No dia seguinte às autárquicas de 2009 o PS, que refulgia inchado de vaidade, não escondia a sua verdadeira vontade de apartheid político em relação ao poder local. O despudor em relação ao primado republicano da autonomia dos poderes legitimados pelo voto popular é de tal ordem que Carlos César deu nota nota pública de que seria ele próprio a escolher o Presidente da AMRAA. De uma assentada fez tábua rasa do respeito institucional que merecem os outros poderes, no caso o dos autarcas, imiscuindo-se naquilo que, pelo menos na aparência, deveria ser uma eleição inter pares e no âmbito associativo dos autarcas eleitos. Como se viu foi sob a vox do Presidente do Governo Regional/Presidente do PS Açores que, em vez de uma votação, teria lugar uma indigitação por imposição presidencial. Ficou assim claro o rumo traçado para a relação descalibrada com o poder local. Mas este foi apenas o aperitivo de um longo menu de degustação que ainda não entrou sequer no cardápio das iguarias mais requintadas. Entretanto, e seguindo a receita já cozinhada, Carlos César, a pretexto de "uma boa colaboração entre a administração regional e a local", cuidou de vestir o costume de anfitrião e convidou os autarcas eleitos para um jantar num dos Palácios da governação. Esta iniciativa inédita sugeria uma contemporização na relação desproporcional que o Governo tem sustentado desde 96 entre os autarcas socialistas e os restantes. Como se sabe, durante este período, a percentagem de apoios do Governo Regional para as autarquias socialistas é obscenamente superior à que vai deixando cair para as autarquias da oposição. Mas, o jantar seria diferenciado em função da cor política não escondendo a vontade de separar e segregar entre os "nossos" e os "outros". Neste espírito de apartheid político o Presidente do PS convidou os autarcas do PS e mais tarde, como Presidente do Governo Regional, recebe os do PSD para o "enterro dos ossos". Este convite para as sobras só tem como objectivo a vontade de humilhar os autarcas social-democratas. Alguém se lembra do Presidente do Governo Regional dos Açores ter feito tal convite aos autarcas do PSD quando este tinha a maioria das Câmaras na Região? Claro que não! Este convite envenenado está em cima da mesa apenas para dividir para reinar. Sem necessidade o PS já nem sequer esconde que a todos quer subjugar, com punho de ferro, e que aqueles que não se vergam ou são de cor diferente são remetidos à segunda linha de um apartheid político, institucional e cívico.

João Nuno Almeida e Sousa
nas crónicas digitais do jornaldiario.com


Semana do 4º Poder » 28 Out a 05 Nov'09



O programa completo aqui.

domingo, outubro 25

Simulacros e eufemismos


Carlos Carreiro - Exposição "Ponta Delgada, Obviamente!", Out'09

Regresso à coluna depois de uma interrupção forçada devido à directiva da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), a qual não foi aplicada por todos os órgãos de comunicação (regionais e nacionais). A sua aplicação é uma forte condicionante a quem colabora e na prática não garante a isenção pretendida, porque a opinião político-partidária não está vedada, neste caso, apenas e somente, aos candidatos. Porém, esta foi a opção deste jornal que respeito, mas com a qual não estive nem estou de acordo. Adiante.

A semana que passou e, mesmo esta, têm sido pródigas em análises e comentários aos resultados eleitorais do passado dia 11 de Outubro. Há quem tenha vaticinado vitórias a priori sem esperar pelo fecho das urnas. Deu-se mal. Ou fez com que isso fosse relativizado, através da singularidade e personalização do acto e circunscrevendo os Açores à sua maior cidade. É uma interpretação altruísta daquilo a que chamam desenvolvimento harmónico ou quando isso não dá jeito o melhor é fingir que não é nada connosco. Uma posição em claro contrapondo com a visão clarividente de Ângelo Correia, em entrevista ao DN, que diz o seguinte: «Não posso falar em nome dos outros. Mas se fosse líder sentia-me demitido na noite das eleições autárquicas». Isto quando questionado sobre a sua percepção do resultado eleitoral nas autárquicas, e após o que acontecera nas legislativas. Elucidativo?! Muito.

Os dias têm também sido pródigos em aspectos laterais sob o signo do simulacro. A forma pela qual foi tornado pública a revindicação estatutária de um deputado da Assembleia Legislativa Regional dos Açores em nada contribuiu para o elevar da disputa político-partidária. Bem pelo contrário. Esvaziou-a de significado. E foi reduzida ao ridículo. É caso para se dizer que sem os medium não haveria message.

Ps Ao ler o editorial de domingo do Açoriano Oriental dei com uma referência explícita “a guerras dos Museus”. Será importante aqui referir que ao dar-se conta da existência de alguma “guerra” convém não esquecer quem é que aqui é o agressor. Outra leitura que faço é a de que a mesma referência bélica vem dar razão àqueles que verbalizam que há jornalistas que gostam de sangue. Não em sentido literal, é certo! Mas por vezes fica-me a dúvida.


* Publicado na edição de 20/10/09 do AO
** Email Mail to X
*** Blog X
**** Twitter X

sábado, outubro 24

Musicatlântico



No ano em que se assinala o 200º aniversário da morte de Joseph Haydn em todo o mundo, a Temporada MusicAtlântico dedica-lhe, em homenagem, a apresentação pela primeira vez nos Açores, da sua obra mais emblemática, a monumental oratória “A Criação”.

Escrita a partir do Livro do Génesis, é uma das obras mais carismáticas de toda a História da Música e considerada para muitos a obra-prima de Haydn.

Aborda a criação do mundo e da vida na Terra em três partes: inicia-se com surgimento da luz, da terra e do mar, dos corpos celestes e da vida vegetal. A segunda parte centra-se na criação da vida animal - dos bichos, das aves, dos peixes, do homem e da mulher. Finalmente, a terceira parte, é inteiramente dedicada às figuras de Adão e Eva e revela uma escrita musical que vai ao encontro da ideia de um mundo idílico e perfeito.

“A Criação” será interpretada pelo Coral de S. José e pelos solistas Sandra Medeiros (soprano), Paulo Ferreira (tenor) e José Corvelo (barítono), e contará com a estreia da Orquestra Clássica Francisco de Lacerda, constituída por músicos residentes nas várias ilhas açorianas, sob a direcção do maestro César Viana.

Os concertos realizam-se no Sábado, dia 24, no Teatro Micaelense e Domingo, dia 25, na Igreja do Museu de Angra do Heroísmo, ambos às 21h30.

Fonte GaCS

quinta-feira, outubro 22

“Tomba-Gigantes”

...
Numa saison outonal em que está na moda falar de derrotas não quero deixar de registar um revés pessoal e um concreto desaire eleitoral: o de Carlos César na minha freguesia de Fajã de Baixo! Trata-se de uma perda pessoalíssima com um simbolismo que não se esgota no plano local. Com efeito, o Presidente do Governo Regional dos Açores, e toda a sua entourage, apostou forte na vitória do seu plantel. Carlos César é eleitor residente na Fajã de Baixo, condição que aliás partilha com Berta Cabral. Mas as restantes diferenças são abissais. Fajã de Baixo contudo dava um case study depois das práticas e metodologias que foram usadas pelos Socialistas e que presumo terem sido replicadas noutras freguesias. Há quatro anos atrás Carlos César empenhou o seu prestígio pessoal e institucional concorrendo na lista do PS à Freguesia de Fajã de Baixo. Perdeu as eleições. Passados quatro anos na oposição fez-se substituir na lista pelo homem forte da Casa do Povo da Fajã de Baixo, José Dinis, líder da Confraria da Sopa dos Açores que no seu ritual de entronização nomeou Carlos César como "confrade de honra". Confrades e compadres à parte o certo é que nem assim o PS conseguiu retomar a freguesia e Carlos César perdeu, outra vez, as eleições. Embora local foi indubitavelmente uma estrondosa derrota pessoal numa freguesia na qual se empenhou o PS de Carlos César. Uma das poucas do concelho de Ponta Delgada onde Paulo Casaca, candidato do PS à Câmara Municipal de Ponta Delgada, teve a "graça" de se ver acompanhado de Carlos César e respectiva corte. Foi nesta mesma Freguesia que em vésperas de eleições foi distribuído porta a porta um panfleto de campanha com a fotografia de Carlos César no adro da Igreja de "braço dado" à esquerda com o "histórico" João Carlos Macedo e à direita com o referido "peso pesado" da Casa do Povo local. Nem com esta colagem à imagem e semelhança de Carlos César o "evangelho" e slogan de campanha, "gente que faz", logrou arrebatar tão emblemática freguesia. Justiça seja feita. Tratava-se de facto de gente que fez muito pela Freguesia e que prometeu fazer ainda mais! Fez durante a oposição canalizando meios para uma associação local, denominada "A Partilha", que, com o devido respeito, mais não fez do que partilhar uma unilateral oposição à Junta de Freguesia. Prometeu fazer, para benefício virtual dos seus correligionários, um Centro Interpretativo do Ananás quando até há quem reclame um Museu Vivo da Cultura do Ananás. Fez ainda durante a campanha inúmeras promessas populares que espero o povo saiba reivindicar no seu devido tempo. Por exemplo: no fervor da campanha César levou à freguesia a sua embaixada, "generais" e "ajudantes de campo", e teve até a Secretária Regional do Trabalho e Solidariedade Social a prometer obra futura nos derradeiros "cartuchos" da campanha! Depois de todo este desvelo de Carlos César o mesmo foi julgado nas urnas com uma derrota pessoal e institucional. Perdeu mais uma batalha na qual acompanhou as suas tropas numa das suas raras aparições ao lado de Paulo Casaca. Usou com insucesso de toda a "artilharia" política e institucional mas ainda assim a "blitzkrieg" socialista não passou. Clausewitz escreveu em tempos que "a guerra é a continuação das relações políticas com a mistura de outros meios". Na campanha da Fajã de Baixo misturou-se o Governo e o seu Presidente com as ditas "forças vivas" da Freguesia, mas o facto é que nem a imagem de César serviu para caucionar a ambicionada vitória. Bem sei que ainda estamos longe dos playoffs de 2012 mas neste apuramento de 2009 a Fajã de Baixo é uma derrota poderosa, especialmente quando do nosso lado não lutamos com as mesmas armas nem com o plantel da primeira divisão do Governo da Região. Ainda há "tomba-gigantes" !

João Nuno Almeida e Sousa * nas crónicasdigitais do jornaldiario.com

(* Presidente da Assembleia de Freguesia de Fajã de Baixo)

A Casa dos Sentidos



Da autoria do Arqº Sérgio Fazenda Rodrigues é lançado hoje, 5ª feira, 22 Out'09, pelas 20h30, na Livraria Solmar com apresentação do Arqº. Igor França.

quarta-feira, outubro 21

Azores *

Great green ships
themselves, they ride
at anchor forever;
beneath the tide

huge roots of lava
hold them fast
in mid-Atlantic
to the past.

The tourist, thrilling
from the deck,
hail shrilly pretty
the hillsides flecked

with cottages
(confetti) and
sweet lozenges
of chocolate (land).

They marvel at
the dainty fields
and terraces
hand-tilled to yield

the modest fruits
of vines and trees
imported by
the Portuguese:

a rural landscape
set adrift
from centuries ago;
the rift

enlarges.
The ship proceeds.
Again the constant
music feeds

an emptiness astern,
Azores gone.
The void behind, the void
ahead are one.


* John Updike, Harper's Magazine (1964)

Uma entrada a propósito do lançamento desta .

La "culture"...


...et le carnet de chèques

O Mar em Casablanca



A Livraria SolMar apresenta hoje, 4ªfeira, pelas 20h30, o livro O Mar em Casablanca de Francisco José Viegas.

sexta-feira, outubro 16

Porque hoje é 6ªf



Colmeia grill & wine bar
Portas do Mar
T 296 098 693


Na Sexta, Sábado e Domingo haverá a oportunidade de degustar grelhados com carne Ramo Grande, a única Raça Autóctone dos Açores. No sábado será recriado um cenário das antigas Desfolhadas, em exposição um carro de bois, tolda de milho, diversos produtos das colheitas de Outono e diversas alfaias e artefactos ligados a estas culturas. A partir das 19h00 o grupo folclórico dos Arrifes fará a reconstituição de uma desfolhada, incluindo os seus cantares e danças.

Fica aqui uma sugestão para este fim-de-semana. Até já...

LABJOVEM » Inscrições até 31 Out'09



Decorrem até 31 de Outubro as candidaturas para a segunda edição do LABJOVEM - Concurso de Jovens Criadores dos Açores.

O Concurso LABJOVEM é um projecto que visa incentivar e promover jovens criadores das diferentes áreas artísticas, servindo de plataforma a uma nova geração de artistas açorianos.

Como Concorrer

a) aceda a www.labjovem.pt;
b) preencha a ficha de inscrição online [conf: "ficha de inscrição"]
c) imprima a Declaração de Aceitação no final da inscrição online;
d) crie cuidadosamente o seu Dossier de Candidatura consoante as indicações no separador "Regulamento\Dossier de Candidatura";
e) entregue o(s) seu(s) projectos nos seguintes Pontos de Recepção: Museus de ilha da DrAC, Direcção Regional da Juventude (Pdl), Associação Burra de Milho (Terceira) e Câmara Municipal da Vila do Corvo.

quinta-feira, outubro 15

Fight Club T-Shirts



Para comemorar os 10 anos da estreia do filme Fight Club o site de Chuck Palahniuk colocou à venda t-shirts oficiais com a marca do conceituado designer Kevin Tong.

PS: JNAS, de que é que estás à espera?!.

I want you for the job

...

...
Não resisto a um exercício de "futurologia" política e arrisco apostar que o Dr. Ricardo Rodrigues será um inter pares do próximo Governo da República. O Deputado Açoriano está em ascensão junto de Sócrates com quem tem uma grande relação de intimidade política. O bom entendimento entre ambos cauciona, com boas probabilidades, uma nomeação a ministeriável do Vila-franquense Ricardo Rodrigues. Mais óbvia parece ser a pasta da Agricultura que está devoluta desde o início desta legislatura. Mais interessante parece-me arriscar e apostar na nomeação do Dr. Ricardo Rodrigues para Ministro da Justiça…Faites vos jeux, rien ne va plus. Aceitam-se apostas !

terça-feira, outubro 13

Diários de Campanha



Capelas - Ponta Delgada _ Out'09
"O" slogan desta campanha eleitoral autárquica, pelo menos, no que toca a Ponta Delgada.

segunda-feira, outubro 12

Morning Glory



A noite foi longa, o sono apressado e apesar da chuva a história desta manhã é gloriosa...

quinta-feira, outubro 8

Convite



A Galeria Fonseca Macedo inaugura hoje, dia 08 de Outubro, pelas 18h30, a exposição Colectiva 2009, dos artistas:

Carlos Carreiro
José Nuno da Câmara Pereira
Luís França
Miguel Rebelo
Tomaz Vieira
Urbano

A exposição estará patente ao público de 08 de Outubro a 23 de Dezembro, de 2ª a sábado, das 14h00 às 19h00 horas, na Rua Dr. Guilherme Poças Falcão, nº 21, em Ponta Delgada.

quarta-feira, outubro 7

“Filhos e enteados”



Para o Partido Socialista a autonomia do poder local só será "cooperativa" com os autarcas eleitos pelo PS! Os restantes, especialmente os do PSD, foram já rotulados como "braços armados" (sic!) de Berta Cabral esquecendo o Partido Socialista, e o Governo Regional que tanta campanha tem feito nestes dias, que a cooperação deve ser sempre institucional respeitando aqueles que o Povo elegeu. Curiosamente, o Partido que se vangloria da ética republicana apregoa as suas virtudes mas, na prática, na primeira oportunidade, mete-as na gaveta. Por exemplo : nesta campanha tem feito uso recorrente da ideia de que os autarcas do PS terão um diálogo privilegiado com o Governo Regional, pelo que, consequentemente, os demais serão "discriminados negativamente". Uma ideia seguramente fora do catálogo das boas práticas da ética republicana. Seja como for essa união de facto que se quer abençoada pelo PS é incapaz de justificar o marasmo em que se atolaram muitos dos municípios governados pelos socialistas. No democrático equilíbrio dos poderes institucionais, legitimados pelo voto popular, deve vigorar, sem excepção, a mais rigorosa neutralidade e imparcialidade. A hegemonia que o PS quer impor deriva para uma forma de governo da causa pública mansamente aquietada, sem oposição, dissenção ou contraditório. O slogan "juntos nas ideias…unidos nas acções" que o Partido Socialista usou numa luxuosa revista de uma Junta de Freguesia do PS é o sinal dessa lógica. Assim, tudo vale e o poder local fica reduzido a ser uma mera extensão do Palácio de Santana. Sem projectos próprios limitar-se-á a replicar projectos para execução futura quando e como bem entender o governo regional. Esse modelo do poder local como serventuário de outros poderes, que não aquele que deriva do voto popular, está longe de ser democrático. O PSD tem uma outra perspectiva do poder local com merecida confiança das populações. Com todos vamos continuar a trabalhar depois dos resultados de 11 de Outubro porque para, o PSD/Açores, no poder local não há "dois pesos e duas medidas" conforme a conveniência da estação. Dito forma mais prosaica, e porque nos repugna o nepotismo descarado e o proselitismo militante, para nós não há a lógica de que uns são filhos e outros enteados.

João Nuno Almeida e Sousa nas crónicasdigitais do jornaldiario.com

Diários de Campanha



Ponta Delgada - Av. João Bosco Mota Amaral _ Out'09
Um espaço nobre da cidade que se apresenta muito degradado em termos sociais e urbanos. O Casino ali plantado tem por vizinho - o Lixo, muito Lixo. Mais fotos em RX.

terça-feira, outubro 6

domingo, outubro 4

Açores - o "Hawaii" da Europa



Os parabéns à USBA pela nota positiva alcançada na organização do Azores Islands PRO'09.

Jazzores 26 a 30 Out'09



Brad Mehldau Trio
dia 30 no Teatro Micaelense. Outros destaques ao programa do Jazzores serão revelados oportunamente.

Associação Casas Açorianas recebe distinção máxima



;-)
Pois é! E ainda dizem que, em Portugal, a «justiça» não funciona.

A atribuição deste galardão é a prova provada que o trabalho, levado a cabo pela associação e pelos seus associados, é sério e tem sido bem feito.

É também a prova provada da maioridade atingida por este produto que, pela natureza da experiência que proporciona e pelo seu potencial, possa deixar – definitivamente – de ser considerado como um subproduto do alojamento apenas.

Parabéns aos associados, pela qualidade dos empreendimentos, e à direcção da associação pela dinâmica que tem conseguido imprimir, numa conjuntura muito difícil - a vários níveis - como, aliás, se conhece bem.

sábado, outubro 3

Dançarilhas



Este sábado e domingo no Jardim António Borges.

AngraJazz'09



11ª edição de um Festival consolidado. Apesar das propostas multifacetadas gostaria de estar presente, domingo à noite, para ouvir este Sr. Infelizmente, não posso. Fica aqui o reminder.

sexta-feira, outubro 2

Convite



Para o lançamento do livro de Sérgio Rodrigues, na Sociedade Nacional de Belas Artes (Lisboa), hoje, dia 2 de Outubro, pelas 18h30.

o Golem passeia por Braga, o André, na cidade do cardeais

"If you have brought the dead to life trough magic, beware of that life. The lifeless clay will scorn its master and turn to destroy him"
do filme Der Golem de Paul Wegener 1920.
...

...

"No século XVI em Praga, Loew, um sábio rabi, molda um ser de barro - o Golem - com o intuito de proteger os judeus da perseguição decretada pelo imperador.

A passagem de ser inerte do colosso de barro à vida faz-se através da palavra mágica "aemaet" proferida por Astaroth - demónio de hálito fumegante convocado perigosamente por Loew.

A palavra mágica (verdade em hebreu) é escrita num papel e colocada numa estrela, sendo depois injectada no peito da criatura. O ser de penteado intemporalmente esquisito acorda! O Golem abre os olhos como um robot subitamente ligado à corrente! Olhos brancos de titânio na escuridão expressionista do filme – está pronto!

A esta espécie de guarda-costas de discoteca de província sobrenatural será pedida/ordenada a execução de tarefas que ultrapassam largamente o desígnio primordial da criatura.

O mago que lhe dá vida com o objectivo nobre de proteger os seus semelhantes não resiste a uma demonstração infantil de poder e ordena a criatura a cortar lenha, a tirar água do poço e esticando-se mais um bocadinho ordena que lhe faça compras na mercearia local. O Golem não possuindo o dom da palavra leva uma lista de compras escrita pelo mestre e uma sacola devidamente colocada no antebraço… O poder do Amo está por um fio!

Mais tarde o ajudante do rabi irá tentar dominar a criatura sem o conhecimento do mestre. Manipula o Golem com o fito de afastar o cavaleiro que lhe infligiu uma valente dor de corno, porque este anda à socapa com a filha do rabi por quem também está perdido de amores.

No final a criatura salva o povo como era esperado. O happy-ending revela a humanidade residual do Golem. O ser de barro pega carinhosamente ao colo uma criança deixando que esta lhe retire o "Plug" miraculoso da vida. O monstro reequilibra a ordem natural das coisas!

Poder-se-ia acrescentar ainda a súbita aparição de uma nuvem negra envolvendo Vincent Price, a sua voz daria caução sonora à frase quase bíblica:"BEWARE"!

Afinal o grau de monstruosidade do mago/mágico ultrapassa a sua criação!

Oh a iniquidade! Oh a insolência!"

André Almeida e Sousa
...

Pintura e Desenho 2 Outubro
na Galeria da Universidade - Museu Nogueira da Silva/
Universidade do Minho na idolátrica Braga

Graciosa, uma escolha entre o já e o agora


Sta. Cruz da Graciosa, Ago'09

Graciosa. Situada num dos "extremos" do arquipélago é, desde há 35 anos, paragem obrigatória, em Agosto, para o retiro familiar.

Anos houve em que permanecia quase um mês. Hoje os dias são apressados sem, no entanto, perderem o carácter precioso. Por regra, opto pelos dias imediatamente após as festividades da ilha. Prefiro-a "calma". Entendo o cerne das "festas" mas procuro - e esta é, reconheço, uma posição egoísta com aqueles que lá habitam - um espaço tranquilo, sem corrupios... sem "pressas", como isso não fosse já possível.

Naqueles dias sinto uma nostalgia latente e contemplo de forma romântica uma paisagem feita de memórias. A ilha está diferente. Para melhor, dizem-me. Não duvido. Hoje a insularidade vive-se de forma descontinuada graças às melhorias nas comunicações e na rede de transportes (marítimos e terrestres). A coesão que se impõe - em ilhas como a Graciosa - é um imperativo. E o "estar melhor" não significa que está tudo feito. O desafio futuro que se coloca, no curto prazo, passa, fatalmente, pelo continuado envelhecimento populacional e pela fixação de jovens na ilha. E estas questões são transversais a todo o espectro político...

A aposta e a iniciativa na Graciosa têm sido promovidas na sua esmagadora maioria, honra lhe seja feita, pelo Governo dos Açores. A autarquia assiste impávida. Um exemplo concreto: a Graciosa não tem, hoje, um sistema de recolha selectiva dos resíduos, a não ser vidro, isto apesar de ter sido classificada, muito recentemente, pela Unesco como - Reserva da Biosfera (num processo igualmente promovido pelo Governo). É admissível que tal aconteça?! Não. Entretanto, a solução está encontrada e já foi adjudicada pela Secretaria do Ambiente que irá proceder ao lançamento da empreitada de uma central de resíduos, até final de 2009. Esta é, na sua essência, uma competência camarária mas que aqui se mostrou incapaz ou insensível a uma problemática que está para além da ordem do dia.

Quando o PS/Açores enuncia que vencer a Câmara de Santa Cruz da Graciosa é um "grande objectivo" dí-lo com convicção, pois acredita que é possível vencer para mudar o concelho e a ilha, retirando-o do conformismo e do anacronismo a que tem sido sujeito pela gestão laranja.


* Crónica escrita em Agosto para o AO (mas não publicada), cuja colaboração está suspensa está ao próximo dia 11.10.09
** Email Reporter X
*** Twitter Twitter X

quinta-feira, outubro 1

Dia Mundial da Música



Celebrado em Ponta Delgada com um concerto de Pedro Burmester no Teatro Micaelense.

o Sr. Silva

Não há duas sem três, profetiza o adágio popular. No passado Cavaco Silva arruinou a campanha de Fernando Nogueira, atacou a de Santana Lopes e, agora em 2009, matou a de Manuela Ferreira Leite. O Presidente da República, também conhecido por Sr. Silva em alguns territórios insulares adjacentes, tem gerido com inépcia e hostilidade a sua agenda pública. Mas o Professor Cavaco Silva, também conhecido por ter sido o melhor primeiro-ministro de Portugal em alguns territórios continentais e centralistas, tem sido mais do que um pai tirano para o PSD. Na verdade, tem actuado sibilina ou explicitamente como um padrasto e um carrasco do PSD. Se as elites dirigentes do Partido ainda não interiorizaram essa realidade, as bases do partido há muito que se sentem traídas por Cavaco Silva. Desde a doutrina da "má moeda" em que vilipendiou, de modo soez e cobarde, Santana Lopes, que estava já fragilizado q.b. pela oposição e por uma comunicação social hostil, até ao timing assassino para o PSD com a "demissão" do seu ajudante de campo para os media, Cavaco Silva tem abortado qualquer esperança do PSD. Se na sua actual função não se lhe exige que favoreça o partido que lhe deu tantas e retumbantes victórias, também não é menos certo que deverá exigir-se que, pelo menos, não prejudique injustificadamente o PSD. Mas, Cavaco Silva, como muitos políticos que ascendem ao topo da sua carreira, vive no seu "castelo de marfim" e despreza com ingratidão aqueles que no passado tomaram o seu partido. É um síndroma de autismo recorrente e um tique autocrático de quem julga estar na política apenas com a sua agenda pessoal. Oportunamente as bases do PSD terão ocasião de agradecer a Cavaco Silva, de uma só vez, todos os presentes envenenados com que este tem presenteado a sua base eleitoral. Por este caminho estamos certos que arrisca mesmo a possibilidade de concorrer sozinho a Belém sem qualquer apoio no espectro eleitoral do PSD. Ontem, mais uma vez, o Presidente da República, pôs o País à escuta para mais uma declaração encriptada e atabalhoada. Não desmentiu as relações nebulosas entre a sua casa civil e a comunicação social e engendrou uma conspiração informática que passa pela vulnerabilidade das comunicações electrónicas de Belém. Só faltou mesmo sugerir que os controversos e-mails foram forjados, até porque deixou clara a permeabilidade da conta de correio electrónico da Presidência da República ! Depois do caricato episódio da declaração ao País sobre umas alíneas obscuras do Estatuto Político Administrativo dos Açores, o Presidente da República regressa para nova temporada de non-sense com uma declaração extemporânea sobre assessores e hackers num teaser para uma novela que terá ainda muito para dar. Quem não está mais para dar o seu voto de confiança a Cavaco Silva são as bases do PSD. Para muitos o Sr. Silva é "má moeda" a expulsar do mercado !
João Nuno Almeida e Sousa nas crónicasdigitais do jornaldiario.com